Autocuidado e Adoecimento dos Homens: Uma Revisão Integrativa Naciona

Luis Henrique Costa Garcia, Nicolas de Oliveira Cardoso, Claudia Maria Canestrine do Nascimento Bernardi

Resumo


A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) visa promover a prevenção de saúde do homem. Contudo estudos recentes apontam para a necessidade de maior diálogo relacionado aos sentimentos dos homens frente ao adoecimento e à cultura social e laboral. Dessa forma, essa revisão integrativa objetiva verificar os fatores culturais, emocionais e laborais relacionados ao processo de adoecimento e autocuidado dos homens. As buscas por artigos empíricos foram conduzidas nas bases de dados, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), SciELO e PePSIC. Ao término das etapas de seleção, nove estudos foram incluídos para análise nos resultados desta revisão. Os principais resultados sugerem que os homens sentem medo e vergonha de suas vulnerabilidades e do adoecimento. Também percebem uma imposição de papéis patriarcais pela sociedade, considerando o autocuidado como um atributo feminino. Observou-se ainda tendência à priorização do trabalho mesmo que isso implique o deterioramento da saúde.


Palavras-chave


saúde do homem, autocuidado, promoção da saúde, prevenção da saúde

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Amaral, D. E. D. D., Muniz, R. M., Cardoso, D. H., Noguez, P. T., Fagundes, R. F., & Viegas, A. C. (2017). Câncer de mama masculino: o contexto do sobrevivente. Revista de Enfermagem da UFPE, 11(5), 1783-1790. doi: 10.5205/reuol.11077-98857-1-SM.1105201705

Backes, M. T. S., Rosa, L. M. D., Fernandes, G. C. M., Becker, S. G., Meirelles, B. H. S., & Santos, S. M. D. A. D. (2009). Conceitos de saúde e doença ao longo da história sob o olhar epidemiológico e antropológico. Revista de Enfermagem da UERJ, 17(1), 111-117. Disponível em http://www.facenf.uerj.br/v17n1/v17n1a21.pdf

Batista, V. C. L., Ribeiro, L. C. C., Ribeiro, C. D. A. L., Paula, F. A., & Araújo, A. (2016). Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde segundo os profissionais de saúde da família. SANARE - Revista de Políticas Públicas, 15(02), 87-93. doi: 10.1016/S0032-3861(02)00774-7

Boff, L. (2014). Saber cuidar - Ética do humano, compaixão pela terra (20a ed.). Petrópolis: Editora Vozes.

Borges, L. M., & Seidl, E. M. F. (2013). Efeitos de intervenção psicoeducativa sobre a utilização de serviços de saúde por homens idosos. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 17(47), 777-788. doi: 10.1590/S1414-32832013005000024

Boysen, G. A. (2017). Explaining the relation between masculinity and stigma toward mental illness: The relative effects of sex, gender, and behavior. Stigma and Health, 2(1), 66-79. doi: 10.1037/sah0000041

Brasil. Ministério da Saúde (1997). Saúde da família: Uma estratégia para reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd09_16.pdf

Brasil. Ministério da Saúde (2009). Política nacional de atenção integral à saúde do homem. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_saude_homem.pdf

Costa, T. B., & Moura, V. L. F. (2013). O significado do toque da próstata para o homem: Enfermeiro na promoção da saúde. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 5(4), 537-564. doi: 10.9789/2175-5361.2013v5n4p537

Galvão, M. T. D. R. L., & Janeiro, J. M. D. S. V. (2013). O autocuidado em enfermagem: Autogestão, automonitorização e gestão sintomática como conceitos relacionados. Revista Mineira de Enfermagem, 17(1), 226-236. doi: 10.5935/1415-2762.20130019

Gomes, R., Moreira, M. C. N., Nascimento, E. F. D., Rebello, L. E. F. D. S., Couto, M. T., & Schraiber, L. B. (2011). Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva, 16(suppl 1), 983-992. doi: 10.1590/S1413-81232011000700030

Hemmi, A. P. A., da Conceição, J. A., & Santos, D. D. M. (2015). Representações sociais de homens sobre saúde e doença: Contribuições para o cuidado. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 5(1), 1457-1468. doi: 10.19175/recom.v0i0.642

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. Disponível em https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/

Lemos, A. P., Ribeiro, C., Fernandes, J., Bernardes, K., & Fernandes, R. (2017). Saúde do homem: os motivos da procura dos homens pelos serviços de saúde. Revista de Enfermagem da UFPE, 11(11), 4546-4553. doi: 10.5205/reuol.11138-99362-1-SM.1111sup201714

Lima, B., Martins, E. R. D. C., Ramos, R. C. D. A., Costa, C. M. A., Clos, A. C., & Ferreira, J. I. C. (2014). Os meios alternativos de comunicação como ferramenta para a prevenção do câncer de próstata. Revista de Enfermagem da UERJ, 22(5), 656-662. doi: 10.12957/reuerj.2014.15669

Mascayano, F., Tapia, T., Schilling, S., Alvarado, R., Tapia, E., Lips, W., & Yang, L. H. (2016). Stigma toward mental illness in Latin America and the Caribbean: A systematic review. Revista Brasileira de Psiquiatria, 38(1), 73-85. doi: 10.1590/1516-4446-2015-1652

Medeiros, P. F., & Guareschi, N. M. F. (2009). Políticas públicas de saúde da mulher: A integralidade em questão. Revista Estudos Feministas, 17(1), 31-48. doi: 10.1590/S0104-026X2009000100003

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: Método de Pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto em Enfermagem, 17(4),758-764. doi: 10.1590/S0104-07072008000400018

Modena, C. M., Martins, A. M., Gazzinelli, A. P., Almeida, S. S. L., Schall, V. T. (2014). Câncer e masculinidades: Sentidos atribuídos ao adoecimento e ao tratamento oncológico. Temas em Psicologia, 22(1), 67-78. doi: 10.9788/TP2014.1-06

Moreira, M. A., & Carvalho, C. N. (2016). Atenção Integral à Saúde do Homem: Estratégias utilizadas por enfermeiras(os) nas Unidades de Saúde da Família do interior da Bahia. Saúde & Transformação Social, 7(3), 121-132. Disponível em http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/3660

Oliveira, V. B. C. A., & Veríssimo, M. D. L. Ó. R. (2015). Children’s health care assistance according to their families: A comparison between models of Primary Care. Revista da Escola de Enfermagem, 49(1), 30-36. doi: 10.1590/S0080-623420150000100004

Sanches, E. N., Cutolo, L. R. A., Soares, P., & Silva, R. M. (2010). Organização do trabalho, sintomatologia dolorosa e significado de ser portador de LER/DORT. Psicologia Argumento, 28(63), 313-324. Disponível em https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20207

Santos, E. M., Figueredo, G. A., Mafra, A. L. S., Reis, H. F. T., Louzado, J. A., & Santos, G. M. (2017). Saúde dos homens na percepção de enfermeiros da estratégia saúde da família. Revista de APS, 20(2), 231-238. Disponível em https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/3090

Silva, A. M. M., Mambrini, J. V. M., Peixoto, S. V., Malta, D. C., & Lima-Costa, M. F. (2017). Uso de serviços de saúde por idosos brasileiros com e sem limitação funcional. Revista de Saúde Pública, 51(suppl 1), 1-9. doi: 10.1590/S1518-8787.2017051000243

Silveira, C. L. G., Melo, V. F. C. D., & Barreto, A. J. R. (2017). Atenção à saúde do homem na atenção primária em saúde: Uma revisão integrativa. Revista de Enfermagem da UFPE, 11(3), 1528-1535. doi: 10.5205/reuol.10263-91568-1-RV.1103sup201727

Sousa, A. R., Queiroz, A. M., Florencio, R. M. S., Portela, P. P., Fernandes, J. D., & Pereira, A. (2016). Homens nos serviços de Atenção Básica à Saúde: Repercussões da construção social das masculinidades. Revista Baiana de Enfermagem, 30(3), 117-129. doi: 10.18471/rbe.v30i3.16054

Storino, L. P., Souza, K. V., & Silva, K. L. (2013). Necessidades de saúde de homens usuários na atenção básica: Acolhimento e vínculo como potencializadores da integralidade. Escola de Enfermagem Anna Nery, 17(4): 638-645. doi: 10.5935/1414-8145.20130006

Tomé, B., & Lopes, F. (2012). Quem fala do quê nas notícias de saúde do público em 2009: Uma análise crítica. Estudos em Jornalismo e Mídia, 9(2). 326-339. doi: 10.5007/1984-6924.2012v9n2p32 6

Vasconcelos, L. B., & Frota, M. T. E. (2018). Saúde do homem na atenção primária : Relato de experiência. Cadernos da Escola de Saúde Pública do Ceará, 12(1), 116-129. Disponível em http://cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/137

Viana, M. E. R., Costa, L. M. C., Santos, R. M., Anjos, D. S. (2015). O cuidado à saúde da população masculina em tempos de Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: O que eles falam. Cultura de los Cuidados,19(41), 135-146. doi: 10.14198/cuid.2015.41.16

Wynter, K., Wilson, N., Thean, P., Bei, B., & Fisher, J. (2018). Psychological distress, alcohol use, fatigue, sleepiness, and sleep quality: An exploratory study among men whose partners are admitted to a residential early parenting service. Australian Psychologist, 1-8. doi:10.1111/ap.12348

Xavier, S. Q., Ceolin, T., Guanilo, M. E. E., & Mendieta, M. C. (2015). Concepção de saúde e autocuidado pela população masculina de uma Unidade Básica de Saúde. Revista Electrónica Trimestral de Enfermaria,7(2), 2372-2382. doi: 10.9789/2175-5361.2015.v7i2.2372-2382




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v11i3.933

ISSN: 2177-093X


Indexada em:

   

 

 

     

  

 

  

Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.