Primeiro Período de Medicina: Choque de Realidade e o Início da Construção da Identidade Médica

Mariana Santiago De Matos, Camila Mamede Ferraço, Julia Carolina Antunes Rosa, Julye Azeredo Bastos, Paula Condé Brandão

Resumo


Ao entrar na faculdade de Medicina, o estudante frequentemente possui expectativas que destoam daquilo que ele encontra. Esta pesquisa pretendeu identificar diferenças entre essas expectativas e a realidade, visando compreender mais sobre o início da construção da identidade médica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa guiada pelo Método de Explicitação do Discurso Subjacente, da qual participaram 77 alunos do primeiro período do curso de Medicina da Universidade Estácio de Sá, tendo 67 deles respondido a um questionário e 10 sido entrevistados individualmente.  A análise dos dados revelou que os participantes possuíam expectativas idealizadas sobre os colegas e sobre o curso, e a entrada na universidade gerou uma desidealização que parece representar um primeiro passo na aquisição da identidade médica. O contraste entre as expectativas sobre o curso e uma realidade mais árdua do que a esperada, porém, pode ser fonte de sofrimento psíquico, apontando para a necessidade de apoio ao aluno.


Palavras-chave


educação médica, Medicina, universidades, estudantes, subjetividade

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Cassorla, R. (1995). O mito de Asclépios e o médico lidando com a morte. Cadernos do IFAN, 10, 51-62, 1995.

Costa, F. D. & Azevedo, R. C. S. (2010). Empatia, relação médico-paciente e formação em Medicina: Um olhar qualitativo. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(2), 261-69.

Furtado, E. S., Falcone, E. M. O., & Clark, C. (2003). Avaliação do estresse e das habilidades sociais na experiência acadêmica de estudantes de Medicina de uma universidade do Rio de Janeiro. Interação em Psicologia, 7(2), 43-51.

Hoirisch, A. (2010). Identidade médica. In J. Mello Filho & M. Burd (Ed.), Psicossomática hoje (pp. 87-90). Porto Alegre: Artmed.

Hoirisch, A. (2006). Ser médico – Implicações históricas e antropológicas. In J. Mello Filho (Ed.), Identidade Médica (pp. 21-38). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Meleiro, A. M. A. S. (1998). Suicídio entre médicos e estudantes de Medicina. Revista da Associação Médica Brasileira, 44(2), 135-140.

Mello Filho, J.  (2006a). A vocação médica e o curso médico.  In J. Mello Filho (Ed.). Identidade Médica (pp. 59-160). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mello Filho, J.  (2006b). Identidade médica: O normal e o patológico. In J. Mello Filho (Ed.). Identidade Médica (pp. 213-272). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Millan, L. R. & Arruda, P. C. V. (2008). Assistência psicológica ao estudante de Medicina: 21 anos de experiência. Revista da Associação Médica Brasileira, 51(1), 90-4.

Moreira, S. N. T., Silva, C. A. N, Tertulino, F. F., Tertulino, F. M. F., Vilar, M. J., Azevedo, G. D. (2006). Processo de significação de estudantes do curso de Medicina diante da escolha profissional e das experiências vividas no cotidiano acadêmico. Revista Brasileira de Educação Médica, 30(2), 14-9.

Nicolaci-da-Costa, A. M. (2007). O campo da pesquisa qualitativa e o Método de Explicitação do Discurso Subjacente (MEDS). Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(1), 65-73.

Oliveira, M. F. P. & Ismael, S. M. C. (1995). Rumos da psicologia hospitalar em cardiologia. Campinas: Papirus.

Oliveira, R. Z., Gonçalves, M. B., & Bellini, L. M. (2011). Acadêmicos de Medicina e suas concepções sobre “ser médico”. Revista Brasileira de Educação Médica, 35(3), 311-18.

Quintana, A. M., Rodrigues, A. T., Arpini, D. M., Bassi, L. A., Cecim, P. S., & Santos, M. S. (2008). A angústia na formação do estudante de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 32(1), 7-14.

Ramos-Cerqueira, A. T. A. & Lima, M. C. P. (2002). A formação da identidade do médico: Implicações para o ensino de graduação em Medicina.  Interface (Botucatu), 6(11), 107-116.

Scliar, M. (2007). História do conceito de saúde. Physys, 17(1), 29-41.

Trindade, L. M. D & Vieira, M. J. (2009). Curso de Medicina: Motivações e expectativas de estudantes iniciantes. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(4), 542-554.

Villela, A. L. D. H. (2006). O desenvolvimento da identidade médica. In J. Mello Filho (Ed.). Identidade Médica (pp. 161-190). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Zimerman, D. (2006). A importância do sentimento de identidade dos profissionais de saúde mental. In J. Mello Filho (Ed.). Identidade Médica (pp. 273-284). São Paulo: Casa do Psicólogo.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v0i0.660

ISSN: 2177-093X


Indexada em:

   

 

 

     

  

 

  

Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.