Estresse Ocupacional em Profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU)

Daiane Granada Martins, Júlia Gonçalves

Resumo


O trabalho constitui um dos principais fatores desencadeantes do estresse, que se apresenta de modo intenso em profissionais da saúde pública. Objetivou-se identificar o estresse de trabalhadores do Serviço Móvel de Urgência (SAMU), investigar o conhecimento acerca do fenômeno e conhecer suas vivências de trabalho. Utilizaram-se o Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de LIPP e uma entrevista individual. O uso inadequado do serviço pela população e a falta de autonomia dos socorristas foram apontados como fatores estressantes pelos profissionais entrevistados. Identificou-se que há certo desconhecimento desses profissionais, mesmo sendo trabalhadores da saúde, acerca do fenômeno estresse. Dentre as estratégias utilizadas pelos trabalhadores para lidar com as situações cotidianas, estão a prática de atividade física, a convivência com a família, o gosto pelo trabalho realizado e o fenômeno da habituação. Pode-se constatar que a integridade física e mental dos sujeitos investigados reflete positivamente no atendimento prestado junto à comunidade.


Palavras-chave


saúde mental, estresse, profissionais da saúde

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Adriano, M. S. P. F., Almeida, M. R., Ramalho, P. P. L., Costa, I. P., Nascimento, A. R. S., & Moraes, J. C. O. (2017). Estresse ocupacional em profissionais da saúde que atuam no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Cajazeiras – PB. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 21(1), 29-34. doi: 10.4034/RBCS.2017.21.01.04

Anjos, F. B. (2013). Organização do trabalho. In F. O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Org.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 267-274). Curitiba: Juruá.

Antunes, R. (2003). Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho (6a reimp.). São Paulo: Boitempo Editorial.

Baptista, M., & Oliveira, A. (2004). Sintomatologia de depressão e suporte familiar em adolescentes: um estudo de correlação. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 14(3), 58-67. Disponível em http://www.revistas.usp.br/jhgd/article/view/40168

Baptista, A. A. V., Vieira, M. J., Cardoso, N. C. S. & Carvalho, G. R. P. (2005) Fatores de motivação e insatisfação no trabalho do enfermeiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 39(1), 85-91. doi: 10.1590/S0080-62342005000100011

Barros, P. C. R., & Mendes, A. M. B. (2003). Sofrimento psíquico no trabalho e estratégias defensivas dos operários terceirizados da construção civil. Psico-USF, 8(1), 63-70. doi: 10.1590/S1413-82712003000100009

Borges, L. O., & Yamamoto, O. H. (2014). Mundo do trabalho: Construção histórica e desafios contemporâneos. In J. C. Zanelli, J. Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos, Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (2a ed.), (pp. 25-72). Porto Alegre: ArtMed.

Breakwell, G., Fife-Schaw, C., Hammond, & Smith, J. (2010). Métodos de pesquisa em Psicologia (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Calais, S. L., Andrade, L. M. B., & Lipp, M. E. N. (2003). Diferenças de sexo e escolaridade na manifestação de stress em adultos jovens. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 257-263. doi: 10.1590/S0102-79722003000200005

Codo, W., Soratto, L., & Menezes, I. V. (2004). Saúde mental e trabalho. In J. C. Zanelli, J. E., Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos (Org.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed.

Cordioli, A. V. (Org.). (2014). TOC: Manual de Terapia Cognitivo-Comportamental para o Transtorno Obsessivo Compulsivo (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Fontana, R. T., & Siqueira, K. I. (2009). O trabalho do enfermeiro em saúde coletiva e o estresse: Análise de uma realidade. Cogitare Enfermagem, 14(3), 491-498. doi: 10.5380/ce.v14i3.16179

Grazziano, E. S., & Bianchi, E. R. (2010). Impacto do stress ocupacional e burnout para enfermeiros. Enfermería Global, 18, 1-20. doi: 10.4321/S1695-61412010000100020

Lipp, M. E. N. (2005). Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL) (3a ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lipp. M. E. N., & Malagris, L. E. N. (2011). Estresse. In B. Rangé, & cols. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: Um diálogo com a psiquiatria (2a ed.), (pp. 617-632). Porto Alegre: Artmed.

Marcelino, D., Figueiras, M. J., & Claudino, A. (2012). Impacto da exposição a incidentes críticos na saúde e bem-estar psicológico dos tripulantes de ambulância. Psicologia, Saúde & Doenças, 13(1), 110-116. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/pdf/psd/v13n1/v13n1a10.pdf

Marçal, M. A., Oliveira, K., & Santos, E. (2009). Estudo da relação entre a carga mental e o nível de estresse ocupacional em motoristas socorristas do SAMU. Anais do XV Congresso Brasileiro de Ergonomia – Associação Brasileira de Ergonomia ABERGO. Porto Seguro, BA, Brasil. Disponível em http://www.nersat.com.br/qualidade-de-vida-no-trabalho/estudo-da-relacao-entre-a-carga-mental-e-o-nivel-de-estresse-ocupacional-em-motoristas-socorristas-do-samu/

Melo, M. B., Barbosa, M. A., & Souza, P. R. (2011). Satisfação no trabalho da equipe de enfermagem: revisão integrativa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(4), 1-9. Disponível em http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/4413

Meneghini, F., Paz, A. A., & Lautert, L. (2011). Fatores ocupacionais associados aos componentes da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem, 20(2), 225-233. doi: 10.1590/s0104-07072011000200002

Minayo, M. C. de S. (2010). O desafio do conhecimento (12a ed.). São Paulo: Hucitec.

Oliveira, J., & Lipp, M. E. N. (2009). Resiliência e controle do stress em juízes e servidores públicos. Boletim da Academia Paulista de Psicologia, 77(9), 287-306. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2009000200007

Oliveira, E. M., & Spiri, W. C. (2011). Dimensão pessoal do processo de trabalho para enfermeiras de Unidades de Terapia Intensiva. Acta Paulista de Enfermagem, 24(4), 550-555. doi: 10.1590/s0103-21002011000400016

Paschoal, T., & Tamayo, Á. (2005). Impacto dos valores laborais e da interferência família – Trabalho no estresse ocupacional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(2), 173-180. doi: 10.1590/s0102-37722005000200007

Pereira, C. A., Miranda, L. C. S., & Passos, J. P. (2010). O estresse e seus fatores determinantes na concepção dos graduandos de Enfermagem. Reme – Revista Mineira de Enfermagem, 14(2), 204-209. doi: 10.1590/S1415-27622010000200009

Rocha, L. P., Almeida, M. C. V., Silva, M. R. S., & Vaz, M. R. C. (2011). Influência recíproca entre atividade profissional e vida familiar: percepção de pais/mães. Acta Paulista de Enfermagem, 24(3), 373-380. doi: 10.1590/s0103-21002011000300011

Sadir, M. A., Bignotto, M. M., & Lipp, M. E. N. (2010). Stress e qualidade de vida: Influência de algumas variáveis pessoais. Paideia, 20(45), 73-81. doi: 10.1590/s0103-863x2010000100010

Scherer, M. D. A., Pires, D., & Schwartz, Y. (2009). Trabalho coletivo: Um desafio para a gestão em saúde. Revista de Saúde Pública, 43(4), 721-725. doi: 10.1590/s0034-89102009000400020

Schmidt, D. R., Dantas, R. A., & Marziale, M. H. (2011). Anxiety and depression among nursing professionals who work in surgical units. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(2), 487-493. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000200026

Seleghim, M. R., Mombelli, M. A., Oliveira, M. L. F., Waidman, M. A. P., & Sonia, S. M. (2012). Sintomas de estresse em trabalhadoras de enfermagem de uma unidade de pronto socorro. Revista Gaúcha de Enfermagem, 33(3), 165-173. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472012000300022

Silva, E. A. T., & Martinez, A. (2005). Diferença em nível de stress em duas amostras: Capital e interior do estado de São Paulo. Estudos de Psicologia, 22(1), 53-61. doi 10.1590/S0103-166X2005000100007

Silva, R. S., Silva, I., Silva, R. A., Souza, L., & Tomasi, E. (2010). Atividade física e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, 15(1), 115-120. Disponível em http://dms.ufpel.edu.br/ares/handle/123456789/289

Souza, M. S., Baptista, M. N., & Alves, G. A. S. (2008). Suporte familiar e saúde mental: Evidência de validade baseada na relação entre variáveis. Aletheia, 28, 45-59. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942008000200005

Souza, N. V. D. O., Correia, L. M., Cunha, L. S., Eccard, J., Patrício, R. A., Antunes, T. C. S. (2011). O egresso de enfermagem da FENF/UERJ no mundo do trabalho. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(1), 250-257. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000100035

Sousa, V. F. S., & Araújo, T. C. C. F. (2015). Estresse ocupacional e resiliência entre profissionais de saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 900-915. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-370300452014.

Talarico, J. N. S., Carmelli, P., Nitrini, R., & Chaves, E. C. (2009). Sintomas de estresse e estratégias de copping em idosos saudáveis. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43(4), 803-809. doi: 10.1590/s0080-62342009000400010




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v0i0.618

ISSN: 2177-093X


Indexada em:

   

 

 

     

  

 

  

Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.