As Representações Sociais da Maternidade para Mães de Filhos(as) com Deficiência

Kelly Nunes Crisostomo, Fabiana Regina da Silva Grossi, Rafaela dos Santos Souza

Resumo


A descoberta na gravidez de um/a filho/a com alguma deficiência pode trazer efeitos principalmente sobre os sentimentos das mães. Diante disso, objetivou-se analisar as representações da maternidade para mães de filhos/as com deficiência de uma escola pública no município de Barreiras, BA. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória. O instrumento utilizado foi a entrevista semiestruturada, e a coleta de dados foi realizada com 14 mães, sendo utilizada a teoria das Representações Sociais para estudo dos dados obtidos. Identificou-se que existe uma busca pelo filho/a “ideal”, e a chegada de uma criança com deficiência gera sentimentos negativos, tais como choque, medo e tristeza. Além disso, elas ainda precisam lidar com as dificuldades em uma sociedade preconceituosa. Portanto deve-se pensar em intervenções e suporte psicológico a fim de diminuir os obstáculos encontrados, bem como promover melhor qualidade de vida para essas mulheres desde o diagnóstico da deficiência da criança.


Palavras-chave


representações sociais, maternidade, filhos/as com deficiência

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Almeida, M. I. M. A. (1987). Nova maternidade: Uma ilustração das ambiguidades do processo de modernização da família. In S. A. Figueira (Org.), Uma nova família? (pp. 55-68). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Amiralian, M. L. T. M. (2003). Deficiências: Um novo olhar. Contribuições a partir da psicanálise winicottiana. Estilos da Clínica, 8(15), 99-111.

Azevedo, K. R., & Arrais, A. R. (2006). O mito da mãe exclusiva e seu impacto na depressão pós-parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(2), 269-276.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bastos, O. M., & Deslandes, S. F. (2008). A experiência de ter um filho com deficiência mental: Narrativas de mães. Cadernos de Saúde Pública, 24(9), 2141-2150.

Batista, S. M., & França, R. M. (2007). Família de pessoas com deficiência desafios e superação. Revista de Divulgação Técnico-Científica do ICPG, 3(10), 1807-2836.

Begossi, J. (2003). O luto do filho perfeito: Um estudo psicológico sobre os sentimentos vivenciados por mães com filhos portadores de paralisia cerebral (Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, Brasil).

Braga, M. G. R., & Amazonas, M. C. L. (2005). Família: Maternidade e procriação assistida. Psicologia em Estudo, 10(1), 11-18.

Brunhara, F., & Petean, E. B. L. (1999). Mães e filho especiais: Reações, sentimentos e explicações à deficiência da criança. Revista Paidéia, 9(16), 31-40.

Bueno, R. K., Monteiro, M. A., & Souza, S. A. (2011). Equoterapia: Do filho idealizado para o filho real. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, 7(13), 101-107.

Cerqueira, M. M. F., Alves, R. O., & Aguiar, M. G. G. (2016). Experiências vividas por mães de crianças com deficiência intelectual nos itinerários terapêuticos. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10), 3223-3232.

Cervo, A. L., & Bervian, P. A. (2002). Metodologia científica (5a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Coutinho, S. M. S., & Menandro, P. R. M. (2009). A dona de tudo: Um estudo intergeracional sobre representações sociais de mãe e esposa. Vitória, ES: Editora GM, PPGP-UFES e Editora Facastelo.

Farr, R. M. (1995). Representações sociais: A teoria e sua história. In P. Guareschi, & S. Jovchelovitch (Orgs.), Textos em representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes.

Ferreira, D. S., Neves, A. L. M., Siqueira, T. B., & Barbosa, I. P. B. (2013). Teoria das representações sociais e pesquisa socioeducativa em saúde do idoso: Contribuições teórico-metodológicas. Scientia Amazonia, 2(2), 42-49.

Gomes, A. G., Donelli, T. M. S., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2008). Maternidade em idade avançada: Aspectos teóricos e empíricos. Interação em Psicologia, 12(1), 99-106.

Grossi, F. R. S., Crisostomo, K. N., & Souza, R. S. (2016). Vivências de mães de filhos/as com deficiência: Uma revisão sistemática. Revista das Ciências da Saúde do Oeste Baiano – Higia, 1(2), 134-147. Disponível em http://fasb.edu.br/revista/index.php/higia/article/view/139

Guerra, C. S., Dias, M. D., Ferreira Filha, M. O., Andrade, F. B. , Reichert, A. P. S, Araújo, V. S. (2015). Do sonho a realidade: Vivência de mães de filhos com deficiência. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 24(2), 459-66.

Jovchelovitch, S. (2007). Vivendo a vida com os outros: Intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In P. Guareschi & S. Jovchelovitch (Orgs.), Textos em representações sociais (9a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lazzarotto, R., & Schmidt, E. B. (2013). Ser mãe de crianças com paralisia cerebral: Sentimentos e experiências. Revista Perspectiva, 37(140), 61-72.

Maldonado, M. T. (1997). Psicologia da gravidez. Petrópolis, RJ: Vozes.

Milbrath, V. M., Cecagno, D., Soares, D. C., Amestoy, S. C., & Siqueira, H. C. H. (2008). Ser mulher mãe de uma criança portadora de paralisia cerebral. Acta Paulista de Enfermagem, 21(3), 427-43.

Minayo, M. C. S. (Org.). (1998). Saúde e doença: Um olhar antropológico. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Monteiro, M., Matos, A. P., & Coelho, R. (2004). Adaptação psicológica de mães cujos filhos apresentam paralisia cerebral – Resultados de um estudo. Revista Portuguesa de Psicossomática, 6(1), 115-130.

Moscovici, S. (2007). Representações sociais: Investigações em psicologia social (6a ed., P. A. Guareschi, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Oliveira, M. F. S., Silva, M. B. M., Frota, M. A., Pinto, J. M. S., Frota, L. M. C. P., Sá, F. E. (2008). Qualidade de vida do cuidador de criança com paralisia cerebral. RBPS, 21(4), 274-280.

Oliveira, I. G., & Poletto, M. (2015). Vivências emocionais de mães e pais de filhos com deficiência. Revista da SPAGEST, 16(2), 102-119.

Pereira, L. M. F., Caribé, D., Guimarães, P., & Matsuda, D. (2011). Acessibilidade e crianças com paralisia cerebral: A visão do cuidador primário. Fisioterapia em Movimento, 24(2), 299-306.

Pintanel, A. C., Gomes, G. C., & Xavier, D. M. (2013). Mães de crianças com deficiência visual: Dificuldades e facilidades enfrentadas no cuidado. Revista Gaúcha de Enfermagem, 34(2), 86-92.

Prado, L. C. (2006). Entre a realidade e os sonhos: O desafio das famílias com bebês. Porto Alegre: L. C. Prado.

Richardson, R. J. (1989). Pesquisa social: Métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rodrigues, D. P., Rodrigues, F. R. A., Silva, L. M. S., Jorge, M. S. B., & Vasconcelos, L. D. G. P. (2009). O adolescer e ser mãe: Representações sociais de puérperas adolescentes. Cogitare Enfermagem, 14(3), 455-462.

Rodriguez, F. T., & Féres-Carneiro, T. (2013). Maternidade tardia e ambivalência: Algumas reflexões. Tempo Psicanalítico, 45(1), 111-121.

Rolim, L., & Canavarro. M. C. (2001). Perdas e luto durante a gravidez e puerpério. In M.C. Canavarro (Eds.), Psicologia da gravidez e da maternidade. Coimbra, Portugal: Quarteto Editora.

Sá, C. P. (2004). Representações sociais: o conceito e o estado atual da teoria. In: M. J. Spink (Orgs.), O conhecimento no cotidiano: As representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense.

Scavone, L. (2001). Maternidade: Transformação na família e nas relações de gênero. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, 5(8), 47-60.

Smeha, L. N., & Cezar, P. K. (2011). A vivência da maternidade de mães de crianças com autismo. Psicologia em Estudo, 16(1), 43-50.

Silva, A. M. F. (2011). Representações sociais da família sobre a deficiência física da criança e suas implicações no cotidiano. (Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil).

Souza, L. G. A., & Boemer, M. R. (2003). O ser-com o filho com deficiência mental alguns desvelamentos. Paidéia, 13(26), 209-219.

Vieira, N. G. B. et al. (2008). O cotidiano de mães com crianças portadoras de paralisia cerebral. Revista Brasileira em Promoção, 21(1), 55-60.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v0i0.608

ISSN: 2177-093X


Indexada em:

   

 

 

     

  

 

  

Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.