Saudades de Casa: indicativos de depressão, ansiedade, qualidade de vida e adaptação de estudantes universitários

Marília Martins Vizzotto, Saul Neves de Jesus, Alda Calé Martins

Resumo


Avaliaram-se a qualidade de vida, sintomas de ansiedade, depressão e stress, além de estilos de vida e métodos acadêmicos de estudantes. Participaram deste estudo 238 jovens de duas universidades portuguesas, e foram utilizados os seguintes instrumentos: Whoqol bref, Questionário de Estilo de Vida e Métodos Acadêmicos e Escala de depressão, ansiedade e stress, que foram aplicados em ambiente escolar. Os resultados indicaram boa qualidade de vida; entretanto houve diferenças entre gêneros, pois as mulheres alcançaram melhor qualidade de sono, melhores relações interpessoais e estiveram mais motivadas em tarefas acadêmicas. As variáveis ansiedade, stress e depressão associaram-se ao fator “sair da casa da família para estudar”, resultante do processo de mudança natural do desenvolvimento, às dificuldades de amadurecimento, desprendimento dos pais e, portanto, da condição adaptativa.


Palavras-chave


adaptação, depressão, ansiedade, qualidade de vida, estudantes universitários.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aberastury, A. (1983). Adolescência (5a ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

American Psychiatric Association. (2002). Manual de diagnóstico e estatística dos distúrbios mentais. DSM-IV-TR. Porto Alegre: Artes Médicas.

Angelini, A. L., & Agatti, A. P. R. (1984). Interesses profissionais e aptidão intelectual. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 36(1), 80-88.

Bastos J. L. D.; & Duquia, R. P. (2007). Um dos delineamentos mais empregados em epidemiologia: estudo transversal. Scientia Medica, 17(4), 229-32.

Benincasa, M., & Rezende, M. M. (2006). Tristeza e suicídio entre adolescentes: fatores de risco e proteção. Boletim de Psicologia56(124), 93-110.

Bonifácio, S. P., Silva, R. C. B., Montesano, F. T., & Padovani, R. C. (2011). Investigação e manejo de eventos estressores entre estudantes de Psicologia. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas7(1), 15-20.

Calais, S. L., Carrara, K., Brum, M. M., Batista, K.,Yamada, J. K., & Oliveira, J. R. S. (2007). Stress entre calouros e veteranos de jornalismo. Estudos de Psicologia, 24(1), 69-77.

Carvalho, P. D., Barros, M. V. G., Santos, C. M., Melo, E. N., Oliveira, N. K. R., & Lima, R. A. (2011). Prevalência e fatores associados a indicadores negativos de saúde mental em adolescentes estudantes do ensino médio em Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 11(3), 227-232.     

Cavestro, J. M., & Rocha, F. L. (2006). Prevalência de depressão entre estudantes universitários. J Bras Psiquiatr, 55(4), 264-267. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-20852006000400001

Cleto, P., & Costa, M. E. (2000). A mobilização de recursos sociais e de coping para lidar com a transição de escola no início da adolescência. Inovação, 13, 69-88.

Comissão Europeia. (1997). Les Jeunes de l’Union Européenne: Ou les Âges de Transition. Luxemburgo: Eurostat - office des publications officielles des communautés européennes.

Direcção Geral do Ensino Superior. (2005). Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Condições socioeconómicas dos estudantes do ensino superior em Portugal. Coleção: Temas e Estudos de Acção Social – 5. Elaboração CIES/ISCTE, Martins, C. S., Mauritti, R., & Costa, A. F. Lisboa: Editora DSAS - Direcção de Serviços de Acção Social, 86p.

Eller, T., Aluoja, A., Vasar, V., & Veldi, M. (2006). Symptoms of anxiety and depression in Estonian medical students with sleep problems. Depression and Anxiety 23(4), 250-6.

Estanque, E., & Nunes, J. A. (2003, outubro), Dilemas e desafios da universidade: Recomposição social e expectativas dos estudantes na Universidade de Coimbra. Revista Crítica de Ciências Sociais, 66, CES, Coimbra. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/myces/UserFiles/livros/480_Rccs66_Dilemas%20e%20Desafios%20da%20UC_EE-JAN.pdf.

Eurydice. (2010). Diferenças de género nos resultados escolares: Estudo sobre as medidas tomadas e a situação actual na Europa. Bruxelas e Lisboa: Unidade Portuguesa da Rede Eurydice (upRe), 142p.

Fernandes, V. M. P. (2011). Adaptação acadêmica e auto-eficácia em estudantes universitários do primeiro ciclo de estudos (Dissertação Mestrado em Psicologia Clínica e Saúde, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal).

Freitas, G. V. S., & Botega, N. J. (2002). Gravidez na adolescência: Prevalência de depressão, ansiedade e ideação suicida. Revista da Associação Médica Brasileira, 48(3), 245-49.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Instituto Nacional de Estatística. (2012). Estatísticas no feminino: Ser mulher em Portugal, 2001 a 2011. Lisboa: Editora do Instituto Nacional de Estatística, 33p.

Knobel, M. (1981) A Síndrome da Adolescência Normal. In A. Aberastury, & M. Knobel (Eds.), Adolescência normal – Um enfoque psicanalítico (pp. 24-62). Porto Alegre: Artes Médicas.

Lovibond, P., & Lovibond, S. (1995). The structure of negative emotional states: Comparison of the depression anxiety stress scales (DASS) with the Beck Depression and Anxiety Inventories. Behaviour Research and Therapy, 33(3), 335-43.

Luz, A., Castro, A., Couto, D., Santos, L., & Pereira, A. (2009). Stress e percepção do rendimento académico no aluno do ensino superior. Actas do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho. ISBN- 978-972-8746-71-1. Disponível em http://www.educacion.udc.es/grupos/gipdae/documentos/congreso/Xcongreso/pdfs/t9/t9c346.pdf.

Martins, A., & Jesus, S. (2007). Escala de avaliação de estilos de vida e métodos de estudo para o ensino superior. Psycaware, 1, 1-9. Disponível em http://www.ci.uc.pt/ipc/2007-2010/revista/c57859b484aa5f741967d375e402a0b0.pdf

Martins, A., Pacheco, A., & Jesus, S. N. (2008). Estilos de vida de estudantes do ensino superior.  Mudanças, 16(2), 100-105.

Mauritti, R. (2002). Padrões de vida dos estudantes universitários nos processos de transição para a vida adulta. Rev. Sociologia, Problemas e Práticas, 39, 85-116.

Ministério da Educação. (2011). Mulheres são maioria entre os universitários, revela o Censo. Brasília, DF. Disponível em http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=16227

Noronha, A. P. P., & Ottatti, F. (2010). Interesses profissionais de jovens e escolaridade dos pais. Rev. bras. orientac. prof., 11(1), 37-47.

Osse, C. M. C., & Costa, I. I. (2011). Saúde mental e qualidade de vida na moradia estudantil da Universidade de Brasília. Estudos de Psicologia, 28(1), 115-22.

Ramos, S. I. V., & Carvalho, A. J. R. (2008). Nível de stress e estratégias de coping dos estudantes do 1º ano do ensino universitário de Coimbra. Psicologia.com.pt. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0368.pdf.

Rea, L., & Parker, R. (2000), Metodologia de pesquisa - Do planejamento à execução (1a ed.). São Paulo: Pioneira.

Ribeiro, J. L. P., Honrado, A., & Leal, I. (2004). Contribuição para o estudo da adaptação portuguesadas escalas de ansiedade, depressão e stress (EADS) de 21 itens de Lovibond e Lovibond. Psicologia, Saúde & Doenças, 5(2), 229-239.

Rios, O. F. L. (2006). Nível de stress e depressão em estudantes universitários (Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil).

Silva, S. I. C (2013). Saudades de casa e estratégia de adaptação de estudantes em mobilidade internacional (Dissertação de Mestrado em psicologia, Secção de psicologia clínica e da saúde, Universidade de Lisboa, Portugal).

Silva, M. F., Goulart, N. B. A., Lanferdini, F. J., Marcon, M., & Dias, C. P. (2012). Relação entre os níveis de atividade física e qualidade de vida de idosos sedentários e fisicamente ativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia15(4), 634-642.

Simon, R. (1989). Psicologia clínica preventiva: Novos fundamentos (1a ed.). São Paulo: E.P.U.

Simon, R. (2006). Psicoterapia breve operacionalizada: Teoria e técnica (2a ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Simmons, R. (2000) Estresse: Esclarecendo suas dúvidas. São Paulo: Guias Agora.

Souza, L. (2010). Prevalência de sintomas depressivos, ansiosos e estresse em acadêmicos de medicina (Tese de doutorado, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil).

Zalaf, M. R. R., & Fonseca, R. M. G. (2009). Uso problemático de álcool e outras drogas em moradia estudantil: Conhecer para enfrentar. Revista Escola de Enfermagem da USP, 43(1), 132-138.

Zamarim, M. A., Miranda, M. J., & Velardi, M. (2006). Influências da prática de atividades físicas em academia na qualidade de vida de adultos universitários: Um estudo comparativo. Qualidade de Vida, 12(47), 351-356.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v9i1.469

ISSN: 2177-093X


Indexada em:

 

 

 


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.