Acolhimento Coletivo como Espaço de Cuidado: Uma Análise das Demandas em Saúde Mental na Adolescência

Luciana Barcellos Fossi, Fernanda Koch Reinheimer

Resumo


Este artigo se caracteriza por um estudo crítico que aborda a experiência da modalidade de acolhimento estabelecida por um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) como ferramenta para o cuidado e a promoção da saúde mental de adolescentes. O material utilizado para sustentar este estudo foi o registro escrito de acolhimentos da demanda relatada por pais de adolescentes que buscaram o serviço em questão, no período de outubro de 2014 a fevereiro de 2015. Para analisar e problematizar os resultados provenientes desses registros, apresentaremos uma discussão teórica acerca da adolescência, da Clínica Ampliada e da Redução de Danos. A partir da análise desse espaço enquanto ferramenta, conclui-se que o acolhimento nessa modalidade tem se mostrado eficaz e em consonância com a perspectiva proposta pelo Ministério da Saúde para os Centros de Atenção Psicossocial.


Palavras-chave


acolhimento, saúde mental, adolescência

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Aberastury, A. (1983). Adolescência (2a ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Adamy, P. E., & Neves, R. S. (2017). Redução de danos e linhas de cuidado. In S. D. Torossian et al. (Orgs.), Descriminalização do cuidado: Políticas, cenários, e experiências em redução de danos. Porto Alegre: Rede Multicêntrica.

Bezerra, D. S., & Rinaldi, D. L. (2009). A transferência como articuladora entre a clínica e a política nos serviços de atenção psicossocial. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(2), 342-355. doi: 10.1590/S1415-47142009000200008

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea (Cadernos de Atenção Básica; n. 28, v. 1). Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_demanda_espontanea_cab28v1.pdf

Cavalcante Filho, J. B., Vasconcelos, E. M. S., Ceccim, R. B., & Gomes, L. B. (2009). Acolhimento coletivo: Um desafio instituinte de novas formas de produzir o cuidado. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 13(31), 315-328. doi: 10.1590/S1414-32832009000400007

Favoreto, C. A. O. (2008). A velha e renovada clínica dirigida à produção de um cuidado integral em saúde. In E. Pinheiro, & R. A. Mattos (Orgs.), Cuidado: As fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ/ABRASCO.

Feuerwerker, L. C. M. (2014). Micropolítica e saúde: Produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede Unida.

Jerusalinsky, A. (2011). Gotinhas e comprimidos para crianças sem história: Uma psicopatologia pós-moderna para a infância. In A. Jerusalinsky, & S. Fendrik (Orgs.), O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: Via Lettera.

Luna, I. J. (2014). Sentidos da integralidade no fazer psicológico em saúde pública. Revista Psicologia e Saúde, 6(2), 1-10. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093X2014000200002&lng=pt&tlng=pt.

Matumoto, S., Mishima, S. M., Fortuna, C. M., & Pereira, M. J. B. (2015). A comunicação como ferramenta para acolhimento em unidades de saúde. Anais Eletrônicos do Simpósio brasileiro de comunicação em enfermagem. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – USP. Disponível em www.proceedings.scielo.br/pdf/sibracen/n8v1/v1a054.pdf

Maynart, W. H. C., Albuquerque, M. C. S., Brêda, M. Z., & Jorge, J. S. (2014). A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta Paulista de Enfermagem, 27(4), 300-304. doi: 10.1590/1982-0194201400051

Medina, G. (2011). Drogas e juventude: Outro caminho. In Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região (Org.), Álcool e outras drogas. São Paulo: CRPSP.

Ministério da Saúde. (2008). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular (2a ed.). Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_2ed.pdf

Ministério da Saúde. (2009). Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf

Ministério da Saúde. (2014). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: Os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf

Oliveira, R. C. (2007). A chegada de crianças e adolescentes para tratamento na rede púbica de saúde mental. In M. C. V. Couto, R. Gomes (Orgs.), Saúde mental e saúde pública: Questões para a agenda da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: NUPPSAM/IPUB/UFRJ.

OSORIO, L. C. Adolescente hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

Ozella, S. (2002) Adolescência: Uma perspectiva crítica. In: S. H. Koller (Org.), Adolescência e psicologia: Concepções, práticas e reflexões críticas. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Psicologia.

Passos, E. H., & Souza, T. P. (2011). Redução de danos e saúde pública: Construções alternativas à política global de “guerra às drogas”. Psicologia & Sociedade, 23(1) 154-162. doi: 10.1590/S0102-71822011000100017

Petuco, D. R. S. (2011). Redução de danos. In Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região (Org.), Álcool e outras drogas. São Paulo: CRPSP.

Queiroz, I. S. (2001). Os programas de redução de danos como espaços de exercício da cidadania dos usuários de drogas. Psicologia: Ciência e Profissão, 21(4), 2-15. doi: 10.1590/S1414-98932001000400002

Queiroz, M. V. O., Ribeiro, E. M. V. & Pennafort, V. P. S. (2010). Assistência ao adolescente em um serviço terciário: acesso, acolhimento e satisfação na produção do cuidado. Texto & Contexto – Enfermagem, 19(2), 291-299. doi: 10.1590/S0104-07072010000200010

Rêgo, M. (2009). Toxicomania: movimentos de uma clínica. In A. F. Nery et al. (Orgs.), Toxicomanias: Incidências clínicas e socioantropológicas. Salvador: EDUFBA: CETAD. doi: 10.7476/9788523208820

Rocha, M. L. (2002). Contexto do adolescente. In S. H. Koller (Org.), Adolescência e psicologia: Concepções, práticas e reflexões críticas. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Psicologia.

Silva Junior, A. G., & Mascarenhas, M. T. M. (2008). Avaliação da Atenção Básica em saúde sob a ótica da integralidade: Aspectos conceituais e metodológicos. In: R. Pinheiro, & R. A. Mattos (Orgs.), Cuidado: As fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ, ABRASCO.

Sodelli, M. (2011). Drogas e ser humano: A prevenção do possível. In Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região (Org.), Álcool e outras drogas. São Paulo: CRPSP.

Vieira, I. M. S., & Santos, A. M. (2011). Acolhimento no Programa Saúde da Família: Revisão das abordagens em periódicos brasileiros. Revista de Salud Pública, 13(4), 703-716. doi: 10.1590/S0124-00642011000400015




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v0i0.426

ISSN: 2177-093X


Indexada em:

   

 

 

     

  

 

  

Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.